segunda-feira, 27 de julho de 2009

Rascunho Sem Tempo

Se há o que querer, talvez amor,
seja qual for o motivo do vazio
a saber, o caminho sombrio,
o tempo talvez desengane a dor,

só há o não querer e o torpor,
e o tempo persiste arredio,
e corre-se tanto a buscar o brio
a vista dos que te vêem ao redor,

quero o não de palavras ocias,
pois, dizem tantas contrariedades,
e nada do que me dizem me vale,

ao passo desse chão de inglórias,
meu andar, que procura felicidades,
sufoca-me até que de todo me cale.

Um comentário:

Pamy disse...

Seem palavraas p/ tiih, só desejoo q Deus continuee tee capacitanduuh e tee danduuh forçaa a kdaa diaa pkêe vc merecee!!!

Quem sou eu

Minha foto
Sou uma pessoa que sempre teve um grande e intenso mundo interior, e que no entanto nunca consegui se fazer ouvido ou entendido, então comecei a escrever a fim de aliviar esse contexto interno, passando então a me auto-conhecer, e nesse processo acabei descobrindo o que realmente mais gosto e quero fazer. E mais importante, a cada dia me sinto mais livre e contextualizado com o meu mundo, com as pessoas e com o meu Deus, que é a base de toda estrutura da minha vida. Toda Glória pois a Ele! Deixo pois aqui alguns de meus poemas para que possa despertar nas pessoas que vivem a mesma coisa e ainda não romperam com a convenções! Abraço a Todos. Fraternalmente!

Seguidores