sábado, 1 de março de 2008

As Portas

O silêncio me eleva a ouvir
O som das palavras mudas
Que a flama do coração
Grita para a minha razão sentir.

Assim sempre é a hora de dormir
Quando as portas da percepção
Tornam-se sensíveis aos sonhos
Que fogem a realidade de existir.

Realidade que tão logo começa,
Das portas, que as mesmas sempre
Abertas, ao espaço do infinito,
Levam-me desperto em pé a lutar.

Então se juntam o silêncio
E o grito; o sonho e o real;
A paz e o conflito
O Bem e o mal...


E segue o homem
Discreto com suas cargas
E ereto sem ninguém perceber,
Sem julgar de perto suas chagas.

Um comentário:

Pamy disse...

Vc é umaa pessoaa q transmitii umaa paaz incriveel, meus melhorees momentoos são contigoo, poiis aprendoo a kdaa diaa e naum é só naa teoriaa e siim naa práticaa :D

Quem sou eu

Minha foto
Sou uma pessoa que sempre teve um grande e intenso mundo interior, e que no entanto nunca consegui se fazer ouvido ou entendido, então comecei a escrever a fim de aliviar esse contexto interno, passando então a me auto-conhecer, e nesse processo acabei descobrindo o que realmente mais gosto e quero fazer. E mais importante, a cada dia me sinto mais livre e contextualizado com o meu mundo, com as pessoas e com o meu Deus, que é a base de toda estrutura da minha vida. Toda Glória pois a Ele! Deixo pois aqui alguns de meus poemas para que possa despertar nas pessoas que vivem a mesma coisa e ainda não romperam com a convenções! Abraço a Todos. Fraternalmente!

Seguidores